i-GRAPE

IMPACTO

Obter resiliência pela gestão da variabilidade

Descrição

O potencial de qualidade do vinho depende, entre outros, da composição das uvas no momento da sua colheita, sendo que a data de vindima é crítica na medida em que esta composição se altera durante a maturação. Poder observar este processo à medida que ele acontece – o aumento da doçura e da cor, o desaparecimento da acidez, sempre fez parte do imaginário.

Por outro lado, no atual contexto de alterações climáticas, onde a água se torna um recurso cada vez mais escasso, é absolutamente crítico garantir, em ambientes mais extremos, a sobrevivência das plantas. Dito isto, a monitorização do estado hídrico da videira como ferramenta de gestão da irrigação reveste-se aqui de elevada importância, no sentido em que irá permitir obter mais e melhor eficiência no uso da água em viticultura. Atualmente, a forma usada para determinar tanto a maturação da uva como o estado hídrico da planta é recolhendo, semanalmente e logo que as uvas começam a ganhar cor, um conjunto limitado de bagos e de folhas em alguns pontos da vinha considerados mais representativos. É feita uma análise físico-química em laboratório dos primeiros e determinado o potencial basal foliar (medição da pressão que a planta faz para extrair água do solo, usando uma câmara de pressão Scholander) das segundas.

Estas técnicas, desde a recolha de amostras no campo à sua análise, são muito exigentes em recursos e possuem erros de amostragem associados. Substituir este processo por um método que funciona em tempo real e não destrói uvas nem folhas é um objetivo extremamente ambicioso que, a funcionar, aumentará a precisão e a eficiência do trabalho e eliminará o uso de reagentes químicos, contribuindo para uma maior sustentabilidade. Com o projeto i-GRAPE, o laboratório passa a estar na vinha, instala-se literalmente dentro dos cachos no meio nas videiras. Perspetiva-se uma melhoria significativa da gestão da produção de uvas para as diferentes categorias de vinho, da gestão da vindima, bem como um aumento da eficiência no uso de água na vinha que melhorará a sustentabilidade global do negócio da Sogrape. A ideia que deu origem ao projeto i-GRAPE nasceu da colaboração entre a Sogrape e o INL (Laboratório Internacional Ibérico de Nanotecnologia). O consórcio do projeto conta ainda com a participação de mais 4 parceiros da Alemanha, Itália e Portugal, sendo integralmente financiado pelo programa Horizonte 2020 da União Europeia, com um orçamento global de cerca de 3 milhões de euros.