NOVATERRA

IMPACTO

Responder a desafios do mercado

DESCRIÇÃO

Desde a Revolução Verde nas décadas de 1950 e 1960, a produção agrícola na Europa e no resto do mundo tem dependido, em grande medida, de produtos fitossanitários. Com o crescimento da população, um dos maiores desafios consiste em assegurar a produção agrícola, mantendo simultaneamente um ambiente sustentável, nomeadamente sem aumentar a área destinada a fins agrícolas.

Durante a sua realização (2020-2024), o NOVATERRA propõe-se criar uma abordagem mais holística ao futuro da atividade agrícola. O projeto visa reduzir a poluição ambiental, evitar danos à biodiversidade e melhorar a sustentabilidade económica dos agricultores mediterrâneos através do recurso à agricultura de precisão, à robótica, a novos produtos fitossanitários naturais e a estratégias de gestão dos solos. A SOGRAPE é a única empresa portuguesa de vinhos no consórcio do projeto.

Neste primeiro ano de projeto, a SOGRAPE desenvolveu estudos sobre novas estratégias na utilização de substâncias que promovem a resistência natural das videiras para o controlo de míldio e oídio, bem como sobre a aplicação de uma inovadora formulação biodegradável para a difusão de feromonas da traça-da-uva (Lobesia botrana) numa estratégia de proteção designada por método de confusão sexual.

O NOVATERRA defende «novas estratégias integradas para reduzir o uso e impacto dos pesticidas em prol da sustentabilidade das vinhas e olivais do Mediterrâneo». O objetivo geral do projeto consiste em criar uma abordagem mais holística por forma a assegurar a segurança alimentar e o acesso a alimentação saudável para uma população em crescimento, sem negligenciar as diretivas e as prioridades da UE relativamente à utilização sustentável de pesticidas.

Como o próprio CEEV (Comité Europeu das Empresas de Vinhos) destaca, «o setor vitivinícola permeia muitos níveis da vida europeia, contribuindo significativamente para a sociedade em termos socioeconómicos, ambientais e sociais: onde as vinhas embelezam a paisagem, o setor do vinho proporciona emprego a milhões, ajudando a sustentar o tecido das sociedades rurais e mantendo um modo de vida que é fulcral para a própria noção de identidade europeia». Como tal, a União Europeia é o principal produtor, consumidor, exportador e importador de vinhos mundial, representando: 45% das zonas vitícolas (sobretudo em Espanha, Itália e França), 65% da produção (156 milhões de hectolitros em 2019), 57% do consumo global e 70% das exportações à escala mundial.

Através de uma série de estudos de caso nas vinhas e olivais mediterrâneos, o projeto terá o objetivo de reduzir a poluição ambiental e os danos causados a organismos não visados, bem como de alcançar uma maior sustentabilidade económica para os agricultores mediterrâneos. Além disso, o NOVATERRA está a criar uma rede de partes interessadas, as quais participam no diagnóstico inicial, em reuniões e sessões de trabalho com grupos de discussão, entre outras atividades de exploração, e prestar serviços específicos de consultoria.

O NOVATERRA irá melhorar o nível de formação dos agricultores envolvidos em duas das principais produções agrícolas na região mediterrânea, contribuindo, assim, para a redução do desfasamento educativo entre os agricultores europeus.

A SOGRAPE irá estar envolvida nas fases de testes, validação e divulgação dos resultados e das práticas recomendadas decorrentes do projeto para as vinhas. O desenvolvimento de sistemas robotizados de controlo de plantas infestantes nas vinhas, com vista a alcançar o estatuto de «zero herbicidas», é uma das matérias com especial interesse. Para o efeito, a SOGRAPE irá testar uma tecnologia inovadora desenvolvida em Portugal pelo INESC-TEC, uma instituição com a qual celebrou um protocolo para a utilização da Quinta do Seixo como local de testes para soluções robotizadas para a viticultura.

O projeto recebeu um total de 4 884 346,35 milhões de Euros em financiamento, no âmbito de uma subvenção para ações de inovação do programa Horizonte 2020 lançado pela Comissão Europeia. O consórcio do NOVATERRA, liderado pelo Instituto de Investigação e Tecnologia Agroalimentar (IRTA, Catalunha, Espanha), é constituído por um total de 19 entidades, incluindo especialistas de 6 países (Espanha, Portugal, França, Itália, Grécia e Bélgica) com formações distintas, que irão criar, desenvolver, testar e explorar as soluções.

O projeto NOVATERRA recebeu financiamento do programa Horizonte 2020 da Comissão Europeia, sob o contrato 101000554.